Febre do Nilo Ocidental já matou mais de 100 na Europa neste ano

Febre do Nilo Ocidental já matou mais de 100 na Europa neste ano

Foto: Paulo Whitaker/Reuters/Arquivo

As autoridades europeias monitoram  o aumento no número de pessoas contagiadas pela “febre do Nilo Ocidental”, em meio ao que já está sendo considerado o surto mais letal do vírus na região nos últimos anos.

Dados do Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças, esta febre, geralmente transmitida por mosquitos, já afetou 1.505 pessoas e causou 115 mortes neste ano.

A Itália, com 35 mortes pelo vírus, é o país onde a febre do Nilo está sendo mais fetal. Em seguida, a Sérvia, com 29 vítimas, a Romênia (25), a Grécia (24), a Hungria (1) e Kosovo (1).

Há quatro vezes mais mortos que em 2017. O número de infectados se multiplicou por cinco em relação aos 288 casos relatados no ano passado.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que o número de casos em países do sul da Europa e da Europa central estava crescendo “pronunciadamente” em comparação com os anos anteriores, e o Centro Europeu para a Prevenção e Controle de Enfermidades classificou o aumento de casos de “dramático”.

No Brasil, a febre do Nilo não é comum. Mas, em junho, o Espírito Santo registrou o primeiro caso contágio de cavalos com o vírus e passou a ficar em estado de atenção para a possível contaminação de humanos.

O Núcleo Especial de Vigilância Epidemiológica, que é vinculado à Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), informou que os cavalos foram contaminados em abril de 2018, no Norte do estado, e depois morreram vítimas da doença.

Amostras coletadas dos animais foram analisadas pelo Instituto Evandro Chagas e pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O resultado foi positivo para febre do Nilo Ocidental.

About Author

DEIXE SEU COMENTÁRIO