Sobe para 662 o nº de recapturados após fuga em SP; 717 seguem foragidos

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +
Spread the love

Pelo menos 1.379 presos fugiram de quatro unidades prisionais do estado de São Paulo durante rebeliões, na última segunda-feira (16), contra decisão da Justiça em suspender a saída temporária de mais de 34 mil detentos para evitar risco de contágio pelo coronavírus.

Na manhã desta quarta-feira (18), 662 presos tinham sido recapturados pela Polícia Militar (PM), de acordo com a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP). Outros fugitivos são procurados.

Sobe para 662 o nº de recapturados após fuga em SP; 717 seguem foragidos

Foto: Reprodução/Twitter

Os dados foram divulgados nesta manhã pela Secretaria da Administração Penitenciária. De acordo com a pasta, todos os presos que participaram das fugas e rebeliões são do regime semiaberto e estavam nas unidades prisionais das seguintes cidades:

  • Mongaguá: 563 detentos fugiram e ao menos 219 presos tinham sido recapturados até esta terça
  • Porto Feliz: 594 detentos fugiram e ao menos 323 presos foram recapturados
  • Tremembé: 218 detentos fugiram e ao menos 116 presos recapturados
  • Mirandópolis: houve incêndio com feridos, mas sem fuga
  • Sumaré: 4 presos fugiram e os mesmos 4 foram recapturados

Na terça (17) estava prevista a saída temporária deles para ficarem com suas famílias. Os fugitivos, que já trabalham durante o dia e retornavam à noite para os presídios, voltariam às suas unidades após sete dias.

Diante do aumento do número de casos de coronavírus, a SAP pediu à Justiça que essa saída fosse barrada para evitar que os presos saíssem e voltassem infectados, contaminando assim outros detentos.

“Nós temos que diminuir a contaminação dessa população [carcerária] por coronavírus”, disse Nivaldo Restivo, secretário da Administração Penitenciária, na manhã desta terça-feira (17) à TV Globo. “Não sabíamos como eles voltariam sem um controle sanitário, sem um acompanhamento de saúde. Isso poderia provocar uma proliferação da doença nas unidades”.

Share.

About Author

DEIXE SEU COMENTÁRIO