Massacre em escola de Suzano deixa 10 mortos

Massacre em escola de Suzano deixa 10 mortos

Foto: Facebook / Reprodução

Um adolescente, 17 anos, e um homem, 25 anos,  encapuzados mataram 8 pessoas na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano (São Paulo) e cometeram suicídio em seguida. O ataque aconteceu às 9h30 desta quarta-feira (13).

Quatro dos mortos  são alunos do ensino médio. Outros dois adolescentes foram socorridos, mas morreram no hospital. Outras duas vítimas são funcionárias da escola.

De acordo com o Coronel Marcelo Salles, comandante-geral da PM, “Eles ingressaram na escola, atiraram na coordenadora pedagógica, atiraram numa outra funcionária. Estava na hora do lanche, eles se dirigiram ao pátio, atiraram em mais quatro alunos do ensino médio. Nesse horário, só havia alunos do ensino médio, e [os autores do ataque]dirigiram-se ao centro de línguas. Os alunos do centro de línguas se fecharam na sala com a professora e eles [criminosos]se suicidaram no corredor”.

Ainda de acordo com informações do coronel, antes de entrar na escola, os criminosos balearam um homem em um lava-rápido próximo à escola. Ele passa por cirurgia na na Santa Casa de Suzano e está em estado gravíssimo.

A polícia não tem informações sobre a motivação do crime. “Provavelmente um ato que foi premeditado. Eles entraram na escola equipados, com máscara. A gente não tem ainda essa motivação, não tem a correlação do motivo e do ato feito.”

Massacre em escola de Suzano deixa 10 mortos

Foto: Arquivo pessoal

Dentro da escola, a polícia encontrou uma mala com fios. O esquadrão antibombas foi chamado. A polícia ainda não informou se havia material explosivo no local.

Um revólver 38, quatro jet luders, que são plástico para recarregamento de arma, um tipo de arco e flecha que dispara na horizontal, um arco e flecha tradicional e garrafas que aparentam ser coquetéis molotov também foram encontrados nas dependências da escola. Um dos autores do ataque tinha uma espécie de machado na cintura.

Atendimento a familiares:

Segundo informações da  Prefeitura de Suzano, as equipes da Defesa Civil, do Trânsito, da Segurança Cidadã, da Assistência Social e do Fundo Social de Solidariedade estão dando suporte no local para as famílias.

A Associação Cultural Suzanense, o Bunkyo será ponto de acolhida para familiares, enquanto aguardam informações, e também para receber a imprensa.

Ex-professor afirma que Bullying era frequente nessa escola:

O professor Edilson Castilho Tavares, que trabalhou até 2015 explicou que a prática de bullyng era comum nas salas de aula. O período que ele deu aula na escola corresponde ao período de estudos de um dos atiradores que invadiu a escola.

“Naquela época o bullying era constante. Era praticamente impossível trabalhar em uma escola com sala de 50 alunos, sendo que comportaria cerca de 30. Me lembro de um aluno que desmaiou e foi chamado o Samu, e quando o Samu chegou acharam comprimidos entorpecentes ao lado do vaso sanitário”, afirma Tavares.

Uma funcionária da sala de leituras conta que ficou de frente com o atirador e o reconheceu. De acordo com ela, o rapaz estudou no local e sofria problemas psiquiátricos. A funcionária acredita que só não foi mais uma vítima porque o rapaz tinha uma relação afetiva com ela.

Uma aluna de 16 anos, acredita que os atiradores “queriam matar quem fez bullying com eles, mas saíram atirando em todo mundo”. A estudante afirma que estava comendo no pátio quando ouviu o barulho de tiros e, juntamente com amigos, saiu correndo para a cantina.

Governador de São Paulo:

João Doria, governador de São Paulo, cancelou a agenda do dia e chegou à escola em um helicóptero, acompanhado do secretário Estadual de Educação, Rossieli Soares da Silva, do secretário de Segurança, general João Camilo Pires de Campos, e do comandante da PM, o coronel Salles.

“Foi a cena mais triste que já assisti em toda a minha vida. Fico muito triste que um fato como este ocorra em São Paulo, ocorra no Brasil. Estou consternado, chocado”, disse o governador.

Bolsonaro presta condolências a famílias:

No Twitter, o presidente Jair Bolsonaro prestou condolências aos familiares das vítimas.

“Presto minhas condolências aos familiares das vítimas do desumano atentado ocorrido hoje na Escola Professor Raul Brasil, em Suzano, São Paulo. Uma monstruosidade e covardia sem tamanho. Que Deus conforte o coração de todos!”, escreveu o presidente na rede social, seis horas e meia após o massacre no colégio.

Antes de Bolsonaro se manifestar os ministros Sérgio Moro, da Justiça, e Vélez Rodriguez, da Educação, além do vice-presidente Hamilton Mourão e do presidente do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli, já haviam comentado o ocorrido.

Principais destaques:

  • Segundo o Censo Escolar de 2017, a instituição possui 358 alunos da segunda etapa do fundamental (6º ao 9º ano) e 693 estudantes do ensino médio. No local também funcionava um centro de idiomas.
  • Ataque a escola deixou 8 pessoas mortas; os dois assassinos se mataram
  • Os autores do crimesão Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Henrique de Castro, de 25 anos
  • 23 pessoas foram levadas a hospitais. Entre elas, há pessoas que ficaram feridas e outras que passaram mal após o ataque
  • Ainda não se sabe o motivo do ataque e o vínculo dos autores com a escola
  • A PM encontrou no local um revólver 38, uma besta (um artefato com arco e flecha), objetos que parecem ser coquetéis molotov e uma mala com fios
  • Antes de os autores do ataque entrarem na escola, um homem foi baleado em uma loja de veículos nas proximidades. A polícia ainda apura se há relação entre os dois crimes.
Share.

About Author

DEIXE SEU COMENTÁRIO