Após suspensão de ‘saidinhas’ por coronavírus, 834 presos fogem de unidade prisional em São Paulo

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +
Spread the love

Pelo menos 834 presos fugiram de quatro unidades prisionais do estado de São Paulo durante rebeliões, na noite da última segunda-feira (16), contra decisão da Justiça em suspender a saída temporária de mais de 34 mil detentos para evitar risco de contágio pelo coronavírus. Um quinto presídio teve princípio de rebelião, mas não fuga.

Na manhã desta terça-feira (17), 517 presos tinham sido recapturados pela Polícia Militar (PM), de acordo com informações da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP). Outros fugitivos são procurados.

Após suspensão de'saidinhas' por coronavírus, 834 presos fogem de unidade prisional em São Paulo

Foto: Reprodução Globo

Todos os presos que participaram das fugas e rebeliões são do regime semiaberto em unidades nas seguintes cidades:

  • Mongaguá: 577 detentos fugiram e ao menos 172 tinha sido recapturados até a manhã desta terça
  • Porto Feliz: ao menos 178 fugitivos foram recapturados
  • Tremembé: ao menos 82 presos recapturados
  • Mirandópolis: houve incêndio com feridos, mas sem fuga
  • Sumaré: 4 presos fugiram e foram recapturados

Nesta terça-feira (17) estava prevista a saída temporária deles para ficarem com suas famílias. Os fugitivos, que já trabalham durante o dia e retornavam à noite para os presídios, voltariam às suas unidades após sete dias.

Diante do aumento do número de casos de coronavírus, a SAP pediu à Justiça que essa saída fosse barrada para evitar que os presos saíssem e voltassem infectados, contaminando assim outros detentos.

“Nós temos que diminuir a contaminação dessa população [carcerária] por coronavírus”, disse Nivaldo Restivo, secretário da Administração Penitenciária, na manhã desta terça-feira (17) à TV Globo. “Não sabíamos como eles voltariam sem um controle sanitário, sem um acompanhamento de saúde. Isso poderia provocar uma proliferação da doença nas unidades”.

Em entrevista à Rádio Bandeirantes, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, afirmou na manhã desta terça (17) que os governos estaduais têm autonomia para administrar seus sistemas penitenciários.

“Houve essa decisão, gerou uma reação de presos que não entenderam. A informação que eu tenho que boa parte, grande parte, mais de 400 já foram recapturados. E vão ser recapturados. Vão prestar conta por esse comportamento”, falou Moro.

Share.

About Author

DEIXE SEU COMENTÁRIO