Apesar da vacina, casos de caxumba continuam crescendo no país

O inverno é uma das estações mais propícias a surtos da caxumba. O Ministério da Saúde não tem dados concretos sobre a doença no Brasil, já que as unidades de saúde não são obrigadas a registrar quantos casos atendem. No entanto, informações coletadas de veículos de comunicação e secretarias da saúde revelam que ao menos seis Estados, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Sergipe e Amazonas, registram surtos cada vez maiores da doença desde 2016.

No Estado de São Paulo, foram observados dez surtos de caxumba em 2018, com 55 casos. Em 2017, foram 141 surtos com 739 casos, segundo dados da Secretaria de Saúde do Estado. No Rio de Janeiro, só a capital registrou 19 surtos em 2017. O surto ocorre quando há dois ou mais casos de uma doença em um mesmo local, como escola, creche, empresa, entre outros. Em todos os Estados, a ocorrência da infecção foi registrada principalmente em adolescentes e jovens.

As vacinas contra a doença são a tríplice viral (que imuniza contra sarampo, caxumba e rubéola) e a tetra viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela), que estão no Calendário Nacional de Vacinação. Mas mesmo quem já tomou pode estar desprotegido contra a doença. De acordo com especialistas, essa desproteção ocorre porque a vacina normalmente tem uma eficácia menor contra esta doença em comparação às outras, e que tende a diminuir com o tempo.

Os casos vêm aumentando principalmente por causa da falta de vacinação. O Ministério da Saúde recomenda que crianças de 12 meses a menores de cinco anos recebam uma dose de tríplice viral aos 12 meses e uma de tetra viral aos 15 meses. Segundo dados divulgados esta semana pela Unicef, a agência da ONU para a infância, a quantidade de crianças que recebeu a segunda dose de proteção caiu de 77% em 2016 para 41% em 2017.

Crianças de 5 a 9 anos que não foram corretamente vacinadas antes devem tomar duas doses de tríplice viral, com intervalo mínimo de 30 dias entre elas. Da mesma forma, pessoas dos 10 aos 29 anos que não foram vacinadas ou não têm certeza de que foram devem tomar duas doses da tríplice. Pessoas de 30 aos 49 anos podem tomar apenas uma dose desta vacina. A partir desta idade, deve ser avaliada a necessidade da imunização caso a caso.

No caso específico da caxumba, mesmo que você já tenha sido corretamente vacinado quando criança, os médicos podem recomendar uma terceira dose da vacina tríplice viral se a sua escola, universidade ou ambiente de trabalho tiver um surto de caxumba.

Fonte: BBC News Brasil

About Author

DEIXE SEU COMENTÁRIO